sábado, 28 de junho de 2008

Quão amargo é o sabor de não ter as coisas simples, mas que mais preciso.

A dor que dilacera coração e alma, é uma dor infantil, de quem superestima as sentimentalidades.

Precisando de um afago, de colo, de segurar na mão, de abraço... as palavras são insuficientes para tal.

O tempo passa vagarosamente... as horas arrastam-se intermináveis, os dias então tornaram-se anos. Espero a esperança.

Cabisbaixo ando no meio do povo... são tantas coisas que os ombros tem que suportar...

E a vontade é refugiar-se onde ninguém pode achar.

Queria eu ser como todos os outros homens gélidos. Nada esperando.

E isso tudo é só porque preciso de coisas tão simples, mas que ninguém pode me dar.

A esperança dos desesperados é a minha: Deus me consola.

3 comentários:

Blog da Fama disse...

Oi, legal aki viu!

Tenho um blog que é pouco visitado, você poderia adicionar o meu nos seus links?

Responda ou me add no msn: matheusmarques_kta@hotmail.com

meu blog é:

www.blogdafamamiv.blogspot.com

Blog da Fama disse...

Por favor, eu preciso muito disso!

Dita disse...

INCRÍVEL!
AINDA NÃO TINHA ENCONTRADO ALGUÉM HUMANAMENTE CAPAZ DE TRADUZIR LITERALMENTE O QUE POR MUITAS VEZES SENTI.
ESCREVER É FÁCIL, MAS SABER ESCREVER É UMA ARTE QUE POUCOS SABEM DESENVOLVER COM TAMANHA PROFUNDIDADE.

QUE DEUS O CONTINUE ILUMINANDO, IRMÃO MATEUS.

IPC:FOI ATRAVÉS DO "ENTENDES" QUE ACHEI ESTE BLOG. PARABÉNS, ESTÁ ÓTIMO!

KARLA GISELLE.